segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O Estado em xeque frente à violência: banal ou orgnaizada


Saudações internautas!

Infelizmente mais uma vez postaremos mais uma matéria que enfatiza a violência e, o que é pior, aquela que é praticada contra agentes do Estado, que têm como mister preveni-la e em última instância reprimi-la, evidentemente, dentro dos limites da lei.

Nos últimos últimos dias temos visto na mídia brasileira um bombardeio de notícias sobre ataques contra profissionais de segurança pública, especialmente no estado de São Paulo.

Segue logo abaixo um vídeo do programa Domingo Espetacular que mostra e, infelizmente, cada vez mais  banaliza a violência, pois ao mesmo tempo que "informa", caso tais veículos de comunicação não tenho o devido zelo no manuseio de tais informações, podem estar contribuindo, sobretudo para sua banalização e fomento de um estado caótico.

Por outro, mas não menos danoso é quando "autoridades" constituídas, para não demonstrarem o seu fracasso através de suas políticas de enfrentamento à essas problemáticas, minimizam e tentam mascarar os fatos e chegam até a afirmar que são casos esporádicos e que não há motivos para pânico.

Necessariamente,  nossas autoridades precisam enfrentar esse problema (complexo de resolver) com seriedade, pois não é mascarando dados e menosprezando os fatos que se enfrentará a criminalidade cada vez mais organizada, infelizmente. É preciso vontade política, capacitação profissional dos operadores de segurança, investimento em tecnologia, inteligência e que as polícias dentro das suas diversas competências trabalhem de forma articulada e profissional, deixando de lado as vaidades institucionais, evitando assim que mais profissionais sucumbam, seja em serviço ou não!


Para as suas próprias conclusões leiam o extrato da matéria e logo após vejam o vídeo!





Fontes:
http://noticias.r7.com/videos/domingo-espetacular-traz-um-balanco-da-onda-de-violencia-que-tomou-conta-de-sp/idmedia/50a036a3fc9bc042f19bcf76.html
http://www.youtube.com/watch?v=_k2f4jTRdZI

Para um maior aprofundamento no assunto veja:


SILVA. João Batista da. A violência policial militar e o contexto da formação profissional: um estudo sobre a relação entre violência e educação no espaço da Policia Militar do Rio Grande do Norte. 2009. 129p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
SOUZA FILHO, Alípio de. Medo, mitos e castigos: notas sobre a pena de morte. São Paulo: Cortez, 1995. (Coleção questões de nossa época, vol.46).

3 comentários:

  1. Maria da Conceição Souza Assistência sócio juridica
    Os agentes policiais são os responsáveis pelo exercício da atividade de segurança pública e necessitam dos meios e instrumentos necessários para a realização de suas atividades. Na maioria dos Estados, principalmente em São Paulo, os policiais sofrem com a falta de recursos, e com os vencimentos limitados, que levam alguns policiais a residirem, caso seja possível chamar a moradia de residência, ao lado do cidadão infrator, que é o responsável pelo cometimento de ilícitos, como por exemplo, homicídios, latrocínio (roubo seguido de morte), crimes contra a liberdade sexual, entre outro. Ao lado da falta de recursos as forças policiais estão enfrentando atos de violência contra seus integrantes que são praticados por pessoas que há muito se afastaram do cumprimento efetivo da lei, e preferem a marginalidade e a prática de atos de barbárie ou invés de buscarem o diálogo com a sociedade, a luta de forma democrática por suas reivindicações. Sem contar que o governo faz uma mascara como se nada estivesse acontecendo policiais morrendo deixando suas famílias para nos proteger e não são tratados como merecem acho que todo mundo no Brasil infelizmente sabe das condições carcerárias o que nasce mas criminosos por que no sistema carcerário se torna uma fabrica de bandido. E eu acho que é dever nosso, de fato, batalhar, lutar, e trabalhar para mudar essa condição. Não é fácil a solução, se fosse fácil, teria sido resolvido "O importante para nós é focar a realidade, em alterar essa condição. que não é simples, toda a questão prisional, assim como a questão da organização do crime, o que esta incontrolável em São Paulo e a mídia ainda faz como sei isso se tone pior como e mostrado como se o papel do estado não se torna cada vez mais alarmante",
    .


    ResponderExcluir
  2. Bom dia minha Cara Maria da Conceição!

    Nos profissionais que trabalhamos direta e indiretamente com a problemática da violência e da criminalidade precisamos estar atentos para não sermos influenciados pelos aparelhos midiáticos, que infelizmente prestam um (des)serviço que banalizam os atos de barbarie que estão sendo praticados ultimamente. Mas por outro lado os governantes também não podem tentar mascarar algo que é evidente. É, portanto, necessário um enfrentamento tanto pela prevenção e também pela repressão qualificada!

    ResponderExcluir
  3. Danielle Bezerra de Almeida - Pós Assistência Sociojurídica22 de novembro de 2012 22:44

    O papel do Estado frente à violência é de garantir a segurança pública, enquanto direito fundamental do cidadão. Diante da complexidade dessa questão, considerando os limites e desafios que se colocam cotidianamente para os profissionais que atuam diretamente na segurança pública, vemos que essa garantia constitucional muitas vezes está longe de ser uma realidade, não só para o cidadão comum, mas até mesmo para os agentes policiais. Ultimamente, muito se tem noticiado na mídia os casos de assassinatos de policiais que estão sendo mortos numa tentativa de aterrorizar esta categoria profissional, de modo a intimidá-la para que não faça o seu trabalho. Diante de tantos casos que temos visto no jornal, o assassinato de policiais militares virou rotina, foi banalizado - quem sabe até depois de algumas semanas deixe de ser notícia. O Estado, por sua vez, frente a essa questão, parece não levar a sério a gravidade da situação, uma vez que deixa a desejar na formulação de estratégias para o combate deste tipo de violência.

    ResponderExcluir